sexta-feira, 16 de julho de 2010

Essa grande maluca



Tudo bem que todos sabemos que a vida nos prega muitas rasteiras. Mais do que esperávamos, mais do que até merecemos. Às vezes, são umas atrás das outras, sem intervalos, tão seguidas que parecem matematicamente orquestradas pelo universo, e nos levam a pensar "Porquê eu?". Outras, são repentinas, sem aviso, quando parece que depois da tempestade chegou a bonança, toma lá mais uma só pa ver se tás atenta. 

E essas são as piores. Não há backup plan, não há sequer uma pista do destino que nos faça ter um cuidado extra. Nesses momentos, o puzzle faz sentido. E eu não quero que faça. A verdade é demasiado dura para poder conviver com ela. Todas as peçinhas ganham uma forma demasiado chocante e arrebatadora. Uma forma que desconheço, com a qual não fui ensinada a lidar, nem nunca pensei que tivesse que enfrentar. 

E respostas? E soluções? Nem vê-las. É que nem pedindo aos santinhos todos de joelhos. E quero manter-me longe, não é o meu lugar, indirectamente sendo. Não é justo, mas é que nem um bocadinho. Não era suposto. É asfixiante, provoca-me insónias como as de ontem, estou em descrédito total. Não pode ser verdade. 
Aquela pessoa com quem cresci, por quem dava a vida, que partilhou comigo todos os momentos mais importantes, mudou. Para algo pior. Para uma personalidade dúbia, irreconhecível. Mergulhou num universo de mentiras, suposições, histórias mal-contadas. 

Estou desiludida. Muito. Talvez um pouco devastada. Tenho um aperto no coração que não sai. Dia e noite. Maus pressentimentos. Medo. Não são dias felizes, este que correm. 
E a preocupação não se vai embora. Também não é suposto ir, não agora. É intrínseca. Imperturbável. Cansativa. É isso, estou cansada. São demasiadas perguntas sem resposta. Eu aprendi há muito tempo que existem perguntas que nunca terão resposta, mas não aqui, por favor. Tem que haver uma explicação.  Lógica e racional.

Essa grande maluca que é a vida podia ter sido mais simpática. Não lhe custava nada. Eu estava no meu break, tenho sido linda e feito tudo direitinho. E agora? Han? Nada disto era suposto, e eu não sei o que fazer. 
Por isso, senhora vida, faça favor de parar este teste que lhe está a fazer. Vai ser infrutífero e trazer consequências graves. Por favor. Do fundo do meu coração apertado.

3 comentários: