quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

I'm back

Estou de volta!
Fui ali só reafirmar o meu amor por Londres! Já não ia lá há algum tempo, mas soube bem como sempre. Só que nem uma fotografia tirei...não é grave, mas foi passando o tempo e olha, máquina vazia! Sinceramente, não me apetecia nada voltar, queria era ficar por lá, mesmo com aquele frio inacreditável. Mas pronto, tive mesmo que entrar no avião and get back to reality.
Cheguei à faculdade e fui bombardeada com prazos de entrega de trabalhos e...está instalado o pânico na minha vida, que nem uma palavra tenho escrita para um mega trabalho que tenho que entregar próxima sexta-feira.
Em princípio, esta viagem não foi lá muito bem planeada...mas valeu totalmente a pena!

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Por aqui, voltamos a ter que explicar coisas aos comentadores anónimos

Tal como já aconteceu neste post de Março deste ano, vou ter aparentemente que voltar a explicar as coisas a um senhor comentador anónimo, que provavelmente nunca leu este blogue na vida e decidiu opinar sobre um post que fiz sexta-feira passada, intitulado "Urticária". Então é o seguinte. 
Não sou amante da esquerda, nem de perto nem de longe. Nem nunca direi o contrário, por isso se o incomoda, lamento. Não podemos gostar todos do mesmo. Agora...a sério que decidiu fazer um comentário sarcástico relacionando a minha capacidade intelectual com as minhas posições políticas? É que isso é que é de um brilhantismo nato. Eu não quero participar activamente no mundo político. Quem é que lhe disse isso? Onde é que viu isso escrito? Lá porque viu o edifício da ONU, achou que eu queria governar Portugal? E mais. Desde quando é que as urticárias, comichões ou o que eu lhe queira chamar, que tenho com a malta da esquerda me concedem brilhantismo ou não? Se por acaso caiu aqui de pára-quedas e viu algo que lhe pareceu pouco inteligente, não volte e pronto. Simples. Aquilo que eu escrevi não teve nada a ver com opinião em relação à greve. Estamos entendidos? As pessoas são livres de vir aqui comentar, mas a educação é um pré-requisito e ofensas não serão toleradas jamais, got it?
Obrigada pelo comentário desnecessário que claramente não será publicado, visto que não acrescenta nada à minha vida. 

Das boas leituras


Miguel Esteves Cardoso, 28-11-2011

«Quando sair este jornal, a Maria João e eu estaremos a caminho do IPO de Lisboa, à porta do qual compraremos o PÚBLICO de hoje. Hoje ela será internada e hoje à noite, desde o mês de Setembro do ano passado, será a primeira vez que dormiremos sem ser juntos.
O meu plano é que, quando me expulsarem do IPO, ela se lembre de ir ler o PÚBLICO e leia esta crónica a dizer que já estou cheio de saudades dela. É a melhor maneira que tenho de estar perto dela, quando não me deixam estar. Mesmo ficando num hotel a 30 passos dela, dói-me de muito mais longe.
O IPO consegue ser uma segunda casa. Nenhum outro hospital consegue ser isso. Podem ser hospitais muito bons. Mas não são como uma casa. O IPO é. Há uma alegria, um humor, uma dedicação e uma solidariedade, bem-educada e generosa, que não poderiam ser mais diferentes da nossa atitude e maneira de ser - resignada, fatalista e piegas - que são o default institucional da nacionalidade portuguesa. É graxa? Para que tratem bem a Maria João? Talvez seja. Mas é merecida. Até porque toda a gente que os três IPO de Portugal tratam é tratada como se tivesse direito a todas as regalias. Há muitos elogios que, não obstante serem feitos para nos beneficiarem, não deixam de ser absolutamente justos e justificados.
Este é um deles. Eu estou aqui ao pé de ti. Como tu estás ao pé de mim. Chorar em público é como pedir que nada de mau nos aconteça. É uma sorte. É o contrário do luto. Volta para mim.»

Este homem fascina-me.

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Das alergias

Lamento vir aqui cortar já o mood da semana, depois do jogo fenomenal que a nossa selecção fez ontem (muito bem meninos!), mas eu estou completamente alérgica à felicidade alheia. Não me apetece levar com ela. Pronto. Que é que eu posso fazer? Faz-me comichão. Tenho que desviar o olhar. E sei que toda a gente tem estas fases, por isso é que não me sinto um ser humano desprezível. Não quero levar com aquele casal na faculdade que literalmente se "come" desde as 8.30 da manhã até às 6 da tarde. É surreal. Não quero levar com a felicidade da malta do bar a falar da casa dos segredos aos gritos a manhã inteira, como se tivessem descoberto a cura para o cancro. Pronto, estou amuada com a felicidade. De birra à séria. Humpf.


sexta-feira, 11 de novembro de 2011

This Friday Night

É sexta-feira, portanto esta semana acabou, o que seria provavelmente bestial, não fosse eu ter que ficar em casa a fazer um trabalho um bocadito po grande :) Isto tudo se passa home alone, eu e as moscas (que entretanto decidiram que o meu lar era um sítio agradável pa conviver). I just love my life!




domingo, 30 de outubro de 2011

Of games, and sticks, and stones

A semana passada foi um desastre. Apercebi-me de certas coisas bastante complicadas de gerir, numa altura em que tenho que usar todo o meu tempo e energia na faculdade porque tenho um semestre tramado. Chegou sexta-feira e eu pensei "Finally!". I was so wrong...todos os pensamentos que me assombraram, que me encravaram literalmente durante a semana tomaram forma, feitio, cor, ângulos e luz. E doeu como eu nunca pensei que fosse doer. Cheguei à frente do espelho, disse alto "Pull Yourself Together NOW!" e segui para Bingo. Ou melhor, para Bowling. Sim, fui jogar bowling com as ladies. And I was a little child all over again. E que divertido que foi. Mas, a questão é que a angústia não vai com a bola de 8kg contra os 10 pinos. 
A minha mente é uma pequena pain in the ass. Never stops. E sinceramente, só quero que esta sensação vá ali dar a volta ao bilhar grande. Porque eu estou cansada. Farta. Saturada. Não consigo mais tentar arranjar uma solução. Cheguei à conclusão que sou funcionalmente incapaz de continuar a lutar contra a maré. Porque tudo à minha volta grita alto e em desafino para que eu pare. E me deixe ir. Que deixe ir tudo. Sem olhar para trás. O problema é que a imagem atrás de mim é bonita, é atraente, mais que isso, é o que eu desejo. Ou desejava. Sei lá. Não fui feita para isto. Indecisão para mim é algo estranho. A génese da vida está no acto de escolher. Em tudo. Mesmo naquilo que não queremos. E eu acredito que a certeza, a firmeza, o "pulso" são provas fundamentais do carácter de uma pessoa. E mais. Esse carácter está nas suas acções, não nas palavras que expele sem qualquer pudor ou consequência. Sem conteúdo, sem emoção. Isso é um grande punhado de nada. Zero em matemática. Nulo em Direito. Para quê? Nem sequer é bonito de se ouvir. É só ar e som. Letras todas juntas que sabem a comida sem sal deixada ao sol. Que soam a esforço e a sacrifício. E que por isso magoam. Com veemência, com garra, com muita força. Sem qualquer tipo de medos. 
Não preciso de favores de ninguém. Nunca vou mudar quem sou, por ninguém. Nunca serei contorcionista para agradar a ninguém. Se assim o fosse, perderia a minha alma. Aquilo que faz de mim a mulher que me orgulho de ser. Que tipo de pessoa seria eu se abdicasse de mim? Não condiz comigo. Por mais que doa, por mais que eu me prostre de joelhos com o coração nas mãos, e que tenha que comer as passinhas todas do Sul, tenho que ser fiel. Aos meus princípios, às minhas crenças, aos meus sonhos. A tudo aquilo que sempre me fez seguir em frente. Tenho milhares de defeitos, como toda a gente. Sou bruta que nem uma porta, arrogante e sarcástica. Muitas vezes (ou a maioria) inconscientemente. Sou egoísta e impulsiva. Tenho manias, tiques. Jogo sempre à defesa, e defendo a minha opinião com unhas e dentes. Mas também sou frágil, muito mais do que gostaria de admitir. Sou vulnerável às coisas mais simples. Sinto-me exposta nas situações mais corriqueiras da vida. Tenho inseguranças para dar e vender. E então? Qual é o problema? Sou um ser humano. Exijo respeito e consideração. Por tudo o que sou. Por tudo o que dou. Por todos os compromissos que faço. É um contributo que deve ter retorno. São pedaços de mim que, de vez em quando, decido partilhar. E essa partilha, para mim, é tão difícil que ganha um valor inestimável. E quando esse valor é subestimado, aí sim meus amigos, Houston we have a problem. Cai o Carmo e a Trindade. Mas o que é isto do não querer ficar nem deixar ir? Não. Lamento, mas não. Não mereço. Eu sei que não mereço. Tenho a certeza absoluta disso. Com todos os bocadinhos de mim. Não tenho estrutura para ser arrastada de um lado para o outro, para ser constantemente afogada e fechada em salas com ar rarefeito por um período indeterminado. It's eating me alive. Nunca esperei que doesse tanto. Mas vai passar. Tem que passar. E eu tenho que ser feliz. É uma prioridade. Tenho que saber sorrir com a simplicidade, celebrar as minhas vitórias e derrotas de cabeça erguida, ir mais longe nas minhas capacidades, explorar o desconhecido e aproveitar todos os momentos para saber com toda a certeza que estou no caminho certo. Que não me traí. Sem mais "e se". Sem ter que esperar em sofrimento. Definir o que vale a pena e o que está errado.
Just gotta set my mind to it.
Sticks and Stones may break my bones...but I'll make it through. This is a promise to myself.


quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Dear St Peter,

Hello there again. Remember this? You do? Good. I don't think you got the idea.
I asked for a breeze, not a freakin' tornado. I begged for some chilly weather, not a god damn waterfall on top of my head. And what's with the thunderstorm? 
Chill man. Get a grip. 
Thanks

Estava quase...

...mas o mundo ainda não acabou. Ufa.

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Selinho :)

Acabei de ver que recebi um selinho da minha querida B. do Love Live Laugh Dance. Thanks baby! Agora tenho que responder às perguntas abaixo.


1. Qual o segredo que tu guardas a sete-chaves para todos aqueles que te conhecem? Se eu contasse não seria segredo...não, estou a brincar. Aqueles que me conhecem realmente bem sabem a minha vida de trás para a frente.

2. Se tivesses 48 horas de vida, o que é que tinhas mesmo que fazer? Ora isso é que seria uma grande chatice. Sei lá...rodeava-me das pessoas mais importantes para mim, com cigarrinhos e música e luz e risos e memórias.

3. Passar este selinho a dois blogs: The Teenage Royalty e CUTTING EDGE

E o Google está muito fofinho hoje


...


quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Preety Please

Deus me dê paciência. E bom humor. E energia. E uma data de outras coisas que neste momento me faltam. Obrigada

domingo, 16 de outubro de 2011

Balanço do fim-de-semana

- Não ganhei o Euromilhões
- Tive com uma gastroenterite, portanto ando a frango cozido, arroz, chá canja, torradas há 3 dias durante os quais perdi 3 kg.

Agora, coisas boas. A semana passada um amigo meu que é um fotógrafo mega ofereceu me uma sessão fotográfica, produzida pela Bárbara do Inside Covers, para promover a colecção Outono/Inverno de uma loja aqui de Cascais chamada Flowerin. As fotografias que ela escolheu já estão no blog e eram imensas, não sei como é que ela conseguiu, mas desde já digo que não são my personal favourites! Anyway...foi uma experiência muito gira, que me provou que não teria tido jeitinho nenhum para ser modelo! Hope you like it!





quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Feeling lucky

Hoje joguei pela primeira vez no Euromilhões. Depois de um bom almoço com a minha mãezinha no Chiado em que chegamos à conclusão que nenhuma de nós tinha jogado na vida , seguimos para a Casa da Sorte na Rua Garrett. Vai bater. I can feel it :)

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Dear St Peter,

Hi. Here's the deal. Enough with the heat game. O-C-T-O-B-E-R, rings any bells? Torture is what this is. Stop it. Now. At least, give us a breeze. Thank you

domingo, 9 de outubro de 2011

Plans

Olhando bem para as coisas, secalhar não me fazia nada mal um intercâmbio, 10 semanas longe daqui...mudar de ares. Oxford? Do I here you calling?

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Of Faith (not religiously speaking)

A fé é algo muito pessoal. Algo universalmente conhecido, mas muito próprio. E extremamente volátil. Quando acreditamos com muita força, e algo abala essa crença, seja no que for, é muito difícil voltar àquela relação de confiança original. A fé move montanhas, é certo. Aguenta tudo. Concede persistência, coragem, vontade, esperança. Faz-nos seguir em frente, mesmo quando tudo parece não fazer sentido. Mesmo quando achamos que não há solução. Lá vem ela. Dá-nos aquele empurrãozito e sussurra "não desistas já". Afasta a impotência, a dúvida, a ansiedade, a angústia. E sabe bem. Ter aquele porto seguro num cantinho da consciência, que não nos deixa cair perante as adversidades. Estabelece uma base de conforto só nosso, definido por nós, à nossa maneira, segundo as nossas necessidades. E depois? Quando tudo sai ao contrário, quando os recursos se esgotam, quando nos vencem pelo cansaço, quando a esperança já foi de férias, quando os happy endings decidiram ficar-se pela Disney? Como é? Agarramos-nos a quê? Pois. Aí já ardemos. E desejamos nunca ter tido fé. Desejamos poder voltar atrás e desistir naquele momento de aviso. E rogamos pragas à fé. Chamamos-lhe nomes feios, praguejamos e esbracejamos. Onde está ela quando a malta se agarra à almofada e chora durante horas, ou quando não conseguimos dormir uma noite seguida? Hein? Pois é. Não está. Don't get me wrong. A fé é algo que eu considero indispensável à saúde mental de qualquer ser humano nos dias que correm. E ajuda muito. Mas quando as coisas dão para o torto, a única réstia de fé que se mantém é que tudo ficará bem. Que o tempo cura tudo. Que amanhã é um novo dia. And all that bullshit. Que serve de quê? De alento? Talvez. De apoio? Talvez. Mas não apaga o que está feito. Não consegue evitar que as feridas se abram. Não consegue evitar a falta de ar, e a falta de sono e fome, sem falar na capacidade de concentração. Na minha opinião, em certo tipo de assuntos, um aviso prévio não faria mal nenhum. Só uma notificação, do tipo "pensa duas vezes antes de ires por aí", "maybe it's time to let go", nessa onda. Não? Obrigadinha. 
A fé devia ter limites. Tipo, o de velocidade. Quando vamos ali na A5 a 160, não quer dizer que não tenhamos à nossa diposição as plaquitas a dizer 120. Mas é uma escolha. Estamos conscientes das implicações da nossa infracção. Das consequências. Em tudo o resto, não. Não há placas ou notificações. E depois dá-se a queda. E dói tudo. E pensamos imediatamente "Eu tive tanta fé, pus tanto de mim nisto, acreditei com todas as células do meu pequeno ser, e este é o retorno? Seriously?". E depois vem a velha máxima de que o que tem que ser tem muita força. Força contra a qual é quase impossível lutar.
Portanto, guess what I have to say is: Fuck You Faith.

Sincerely,
M*


terça-feira, 4 de outubro de 2011

(500) Days of Summer

"Colour my life with the chaos of trouble."

October

Esta semana ate pode ter um feriado pelo meio...mas vai ser insuportavelmente longa.
Goals: get it through to next week, and the next one, and the other after that....

Song for the week

"Carry on
and it'll hit you in the hardest way
and when it gets you
I will be long gone"


segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Malta

Comentários ao meu blogue de roupa? Quero os vossos pareceres! Eu sei que tenho falhado com vocês, mas não me dêem um silent treatment...preety please? 

www.myclosetneversleeps.blogspot.com

True

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Hello world

Comecei as aulas. Ainda não me habituei a acordar cedo, portanto passo a vida cheia de sono e sem paciencia para nada. Mas pronto, that's life and I'm back. As minhas mais sinceras desculpas por não ter vindo partilhar coisinhas com vocês, mas e que o meu computador não esta la muito famoso...como vêem não há acentos! So os consigo por com o corrector ortográfico. E por isso enerva-me um bocadito não poder escrever devidamente. 
Bem, em primeiro lugar estão a voltar as series. 90210 já saiu o 1º episódio da 4ª temporada e devo dizer que foi absolutamente ridículo do principio ao fim. Mas mesmo mau. Enfim. Grey's Anatomy volta esta semana, e Gossip Girl na próxima segunda-feira. Very excited! Entretanto fiquei viciada em duas series: True Blood e Pretty Little Liars. Mas addicted a seria! Ja vou na 4ª temporada de True Blood (cada temporada só tem 12 episódios, portanto vê-se bem), e eis senão quando o drama se instala...a 5ª temporada só estreia no verão do próximo ano! Portanto ando a dosear os episódios...não quero que acabe! Quanto a Pretty Little Liars, ainda a procissão vai no adro e falta-me bastante para estar actualizada!
Quanto a minha vida, devo anunciar que voltei ao ginásio. Pois e. Tem que ser. E a verdade e que sabe lindamente! Por isso há todo um novo e melhorado plano desportivo na minha vida and I'm proud of it!!
De resto, tudo na mesma. Life's good! De volta a universidade, in love, pronta para mais um semestre e para o friozinho do Outono! 
Minha gente, depois de um longo e divertido verão estou oficialmente de volta para opinar sobre tudo, para refilar e queixar-me, e voltar a fazer deste cantinho o meu porto seguro! Ah como eu sentia a falta de vir para aqui dizer disparates! :) 
Thanks for listening *

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Oficially...

My Closet Never Sleeps esta operacional :) hope you enjoy it!

É desta!

Ladies

Comecei hoje a desbravar o meu armário, e já tenho uma boa selecção para por no meu outro blog à vossa disposição! O link encontra-se no lado direito deste cantinho! Vou começar a por as coisas hoje! :)

terça-feira, 30 de agosto de 2011

hi there

Já não escrevo há tanto tempo que até tenho vergonha. Mas a verdade é que nem me lembrei. Andei a aproveitar as minhas férias e a ignorar as tecnologias. Facebook só tenho ido no telemóvel, e mesmo assim praticamente nunca. Mas agora que o verão está nos seus derradeiros dias, comecei a sentir saudades deste meu baby. Andei pela praia grande e algarves, e agora de volta à praia grande one more time. Mas aqui estou eu, para anunciar o meu retorno. Descobri que no Verão não tenho qualquer vontade de me prostrar à frente do computador e escrever imensidades de informação sobre os meus passos. Quero é praia e cheiro a livros, e  a creme, e a coca-cola, e a sal e a conchas. Sopas e descanso. Pouca roupa e vinho branco. As tecnologias fazem parte da rotina. Verão não é rotina. E mesmo assim, eu recuso-me a que este blog se torne uma rotina para mim, pois acabarei por me cansar dele e depois é uma chatice. Pronto, era só isto.



segunda-feira, 25 de julho de 2011

Choques recentes

I.
Hoje de manhã, saí de casa para o cafézito habitual e fui comprar o i, no qual descobri uma entrevista muito elucidativa em relação à tragédia recente na Noruega. Aconselho vivamente a leitura aqui.
A violência das imagens, as informações que foram sido transmitidas deixaram-me literalmente sick to my stomach. É absolutamente indiscutível que o inimigo dos dias de hoje já não tem cara. Já não há um padrão. A demonização do Islão ganhou uma relevância tão grande no panorama internacional, que qualquer outra opção de ameaça foi desvalorizada. Quer dizer, este gajo é loiro, de olhos azuis, norueguês na sua mais pura forma. No entanto, é um monstro. Apoiante acérrimo da extrema-direita, que escreve um manifesto de 1500 páginas sobre uma Declaração de Independência Europeia, anda nas redes sociais para se auto-promover, e acaba por conseguir matar quase 100 pessoas a sangue-frio. Um obcecado. Um lunático. Um psicopata. Tudo isto numa só pessoa que foi criada numa das sociedades mais prósperas e avançadas do mundo. Hoje, o perigo é o vizinho do lado, o perigo também está no Ocidente. "Globalização" realmente um termo que açambarca absolutamente tudo, e cada vez mais se manifesta no sentido errado. Estou absolutamente horrorizada com tudo isto. Temo pelo meu futuro, pelo futuro dos meus filhos, temo que a insegurança tome conta do mundo de tal maneira que a História se venha a repetir. 



II.

Estava eu a desfrutar de um belíssimo dia de praia quando surge a notícia da morte da Amy Winehouse. Bem, para ser muito sincera, não foi um grande choque. Aliás, já se estava à espera à muito tempo. Sempre a achei um prodígio, segui a carreira dela, e sou absolutamente fã de todo o trabalho dela. Mas por outro lado acho absolutamente degradante o ponto a que ela chegou. Uma pessoa tão talentosa, com uma carreira brilhante pela frente, decide enveredar pela via da destruição absolutamente consentida, e ainda fica absolutamente obcecada por um homem que só contribuiu para a desgraça dela. Ela viveu sobre enorme pressão e simplesmente não soube lidar com isso, e a partir daí foi asneira atrás de asneira. E pronto. É mais uma grande artista que decidiu deixar um legado curto, marcado pelo escândalo, pelo life on the edge, pela decadência. Ela escolheu o caminho que percorreu. Pena que não tenha tido uma mão forte e amiga que a puxasse para cima, lhe metesse um colete de forças e a internasse num centro de rehab, palavra que a tornou numa estrela mundial, mas cujos benefícios, que lhe podia ter salvo a vida, foram constantemente ignorados. Live fast and die young é uma expressão que nunca deveria ter feito parte da história desta mulher tão perturbada, mas tão genial em igual medida.


domingo, 17 de julho de 2011

About NYC - Part I

Quando aterramos em Newark, ainda estava dormente. Não tinha bem a noção de que finalmente estava a poucas horas de estar no centro da cidade que sempre sonhei visitar desde miúda. Seguiu-se uma fila interminável para os passaportes (cerca de 1h e qualquer coisinha, hora essa de desespero e ansiedade), onde fui interrogada tipo CSI. O diálogo foi mais ou menos assim: 

"Hi. Why are you here?"
"Hi. I'm just visiting."
"Visiting who?"
"Hum, the city."
"Where are you staying? Do you have any family here?"
"No. Staying at a hotel."
"For how long?"
"A week."
"Alone?"
"No. With a friend"
"Where's your friend?"
"Behind you."
(olhar desconfiado para trás)
"Have you ever been in the USA?"
"No. It's my first time."
"Ok. (carimbo bruto no passaporte) Enjoy."

Ufa, que filme. Finalmente. Seguimos para apanhar o "Supershuttle" (aka melhor serviço de sempre, que nos leva do aeroporto até à porta do hotel.). Trânsito infernal, e de repente, lá estava. A ilha de Manhattan. Aquela imagem clássica da linha irregular de arranha-céus. Foi um momento mágico, de emoção profunda. Estávamos arrasadas pela viagem, mas quanto mais perto estávamos, maior era o excitamento de nos instalarmos e partirmos à exploração daquela cidade acelerada e confusa, mas ao mesmo tempo magnética. Chegamos à porta do Stay Hotel (um hotel young and cool, que desde já recomendo) e demos por nós ao lado de Times Square. Aí abateu-se sobre mim a realidade pura e maravilhosa: eu estava em Nova Iorque. Eu estava no centro do mundo, na cidade que nunca dorme, naquela cidade que sempre me enfeitiçou. E foi um momento de realização pessoal na sua mais sublime forma. Fiquei imediatamente fascinada com as pessoas, com o movimento, as cores e os sons. Quis que aquele momento fosse para sempre. Desejei nunca mais ter que sair dali. Pela primeira vez na minha vida, senti-me em casa fora de Portugal. Eu não sou daquelas pessoas que "could live anywhere". Não sou fã de Portugal de todo, nem é aqui que planeio fazer a minha vida. Mas a questão é que não me senti de férias. Senti que pertencia ali, que ali seria feliz. E o facto é que este sentimento se intensificou à medida que fui conhecendo a cidade, cada vez que de manhã ia buscar um Starbucks e um croissant, e mais tarde um cachorro numa esquina comprado a um indiano bem-disposto, enquanto me deslumbrava com o desequilíbrio arquitetónico, e com as montras, e os dellis, e a velocidade estonteante da vida. No segundo dia, mudámos-nos para a casa de uma amiga da minha mãe, 53rd and 2nd Av, com uma vista inacreditável sobre a cidade, uma casa divertida, bom ambiente, just living the life in New York City. Éramos felizes ali. Completamente satisfeitas e entusiasmadas, sabendo que muito mais estaria para vir.

*Mais em breve, promiss.

sábado, 16 de julho de 2011

Just sharing some random thoughts

It´s amazing how some old pictures can make you feel. You know they don't mean anything. They're part of a history. Well, it's harder when it's not your history and still you have to face it, to respect it. It's really hard to come across with a past that is not your own, and still be rational and adult and deal with it. Are we really obliged to accept it, to embrace others past without getting uncomfortable? Or are we in a position of asking for a fresh start? For a clean memory card, with no photos or souvenirs? Where is the line? Right now, I know that I'm not too comfortable. And maybe I'm selfish. Stupid, immature, disrespectful. But that's just how I feel. Sorry.

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Olha que bom!

Perdi um seguidor, mas ganhei dois no dia seguinte! Happy little me :) Obrigada, enjoy ! São muito bem-vindos!

quarta-feira, 13 de julho de 2011

domingo, 10 de julho de 2011

É o seguinte

Estou de férias na praia grande por tempo indefinido. Praia o dia todo, namoro e descanso. Era mesmo disto que estava a precisar. Não tenho vindo aqui porque estive em nova iorque e logo cheguei tive enfiada na faculdade a estudar, e mandei me pra aqui imediatamente após o exame! Por isso, as minhas mais sinceras desculpas. Tenho fotografias de ny que quero partilhar, e assim o farei. Quanto ao blogue que anunciei, onde colocarei ao vosso dispor alguns trapinhos e outras coisinhas, muito sinceramente, ainda não tive tempo nem cabeça! Agora, preciso disto. Obrigada pela compreensão :)

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Luuux

 

Iniciei-me no Luuux. Achei graça ao conceito. E voces? Ja conhecem? Quem anda por la? De qualquer maneira podem ver o meu primeiro post  aqui!

Brain dead

Ora bem, exame dia 14 e oral dia 15. Porreiro. Pegar num livro? Pois, vai já. Tou completamente desmotivada e cheira-me que não vai correr nada bem. Este ano nunca mais acaba, ta visto. Ando aqui a olhar para os apontamentos há 2 dias e sinto-me intelectualmente incapaz de absorver seja o que for. Muito bem Maria. Em principio já tiveste dias mais felizes.

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Dos Santos Populares

Pode ser má onda e pouco cool, mas eu não suporto os Santos. Muita gente, cheiro a sardinha e cerveja por todo o lado. Nunca fui fã. Sou pouco adepta da confusão generalizada. Em miúda ainda achava piadas ao manjerico, que tínhamos que regar e ver crescer, tal como houve a moda dos bichos da seda. Mas passou. E desde então, nunca senti a necessidade de incluir esse programa no meus junhos adolescentes. Compreendo a tradição e o espírito. E tem o factor de ter uma competição de bairros e as suas marchas garridas, demovedor da populaça que transforma a Avenida da Liberdade num antro claustrofóbico de histeria. Ok. Malta, isto não é o Rio de Janeiro. Let's face it...é só mais uma desculpa para as bezanas infanto-juvenis que invadem os fim-de-semanas alfacinhas. Lamento.

Pronto, era só isto.




quarta-feira, 8 de junho de 2011

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Dia 16

Finally! Depois de mil exames, poucas horas de sono e muito stress, ja tenho a minha viagem marcada para NYC! Uma semaninha de sonho na cidade que eu sempre quis conhecer!

P.S- Estava a pensar em criar um blogue para vender roupa que ja n uso...Boa ideia ou nem por isso?

quarta-feira, 18 de maio de 2011

I know, i know...

Pois é. Tenho estado bastante ausente. Desde já as minhas mais sinceras desculpas. Entre testes, e namorado, e amigas, e revelações chocantes, para ser extremamente sincera tenho andado sem paciência para vir aqui. E não me sinto bem com isso. Aliás, não me sinto bem com o estado de inércia e ócio em que me deixei mergulhar. Eu adoro escrever aqui, adoro ler os blogues que sigo, adoro ter este "projecto" de partilha, já aqui o expressei várias vezes. Mas ultimamente tou mais...desinteressada. O Z. no outro dia virou-se para mim e expeliu o seguinte comentário: "Uma mulher tão culta como tu, a perder tempo com coisas tão desinteressantes." And it suddenly hit me. Eu estou desligada. Acho que tou tão cansada deste semestre que já não consigo reflectir. Além de que as notícias deste país provocam-me enxaquecas monumentais devido à repetição excessiva. Nem dá gosto comentar. Same shit, different day. Este país será sempre a mesma coisa. Família, Futebol, Fátima...e governos miseráveis. E ainda me perguntam alguns muito admiradamente porque é que eu quero mandar-me daqui assim que acabar o curso.
No outro dia, em Fátima, o sol foi rodeado por uma rosca sombreada e delineada por um pequeno arco-íris. Toma lá um milagre, e a histeria da populaça (Explicado cientificamente no jornal da noite, obviously).
O que é que se segue? Ah, entrámos "oficialmente" em recessão. Jura! Como se já não tivéssemos entrado há uns tempinhos.Anda tudo a dormir é o que vale...
What's next? Mataram o Bin. One down, a lot more to go.
O FCPorto é campeão europeu. Azia da malta do centro, especialmente a massa benfiquista. Se bem que, meus amigos, ganhar o Braga ou o Porto é tudo a mesma merda. Tudo mau. 
Ah! Fui à feira do livro com a B. e trouxe estas maravilhas para casa:










E foi muito bom! Como eu adoro livros. Tudo isto foi muito baratinho ainda por cima! Downside: depois de subir todo o parque Eduardo VII, lembrei-me da falta que faz não ir ao ginásio há uns tempinhos e de que fumar não ajuda nem um bocadinho. Es lo que hay. 
De resto, continuo mega apaixonada, bronzeada e pronta para o Verão. Definitivamente pronta.
Por agora fico-me por aqui, mas prometo voltar à assiduidade que nem sempre me foi característica!

sábado, 30 de abril de 2011

Royalty

Estou de volta, com uma cor muito mais indicativa de boa saúde, e a adorar um bocadinho-muito-por-amor o vestido da Kate.






P.S- Único contra...35 milhões de libras para o casamento? Seriously? Que falta de vergonha...

quarta-feira, 13 de abril de 2011

quinta-feira, 7 de abril de 2011

quinta-feira, 31 de março de 2011

Selo nº 2

E no dia em que este blogue celebra o seu primeiro de muitos aninhos...eis senão quando recebo um selinho da minha querida B., do Love Live Laugh Dance! Grande presentinho para celebrar! Thanks love :)


Como manda a tradição, passo este selo aos seguintes 10 blogues:
- 3 é demais!
- the boho fille diaries
- Xanalicious
- noites de insónia e não só
- God Save The Fashion
- The Teenage Royalty
- Chila Camomila
- au revoir Camille
- confessions of a fashion
- Marabunta & Framboesa

1 Year ♥

Hoje, este cantinho faz um ano de existência. Por isso, venho aqui, primeiro para justificar a minha ausência (exames, faculdade, essas merdas), e segundo para agradecer aos meus 79 seguidores, e a todos aqueles que se deram ao trabalho de vir, por um motivo ou outro, contribuir para as 29352 visitas, que me deixam admirada e muito contente! 
Quando me iniciei na blogosfera, não sabia o que esperar, nem sabia se conseguiria honrar o meu compromisso de não abandonar este "projecto". 
Hoje, posso dizer que este blogue faz parte da minha vida de um modo pleno, e que tenho muito orgulho desta "parte de mim". Once again, obrigada por me aturarem, perdoem-me a ausência, e espero, aliás, renovo os meus votos para continuar a não deixar que o meu mundo adormeça.

Thank you Sleepers!

quarta-feira, 23 de março de 2011

Finalmente #2 The Speech

"De forma consciente, a oposição retirou ao governo todas as condições para continuar a governar." - As condições para governar, nunca as teve. Lamento. E já que os eleitores tiveram a inconsciência de escolher o seu governo, ao menos que o resto da classe política se mexa, em vez de andar sempre em competições parlamentares diárias em torno de deboches satíricos às questões mais importantes do futuro do país.

"Em 1º lugar, esse programa (FMI) tem consequências profundamente negativas para a imagem, o prestígio e para a reputação nacional. Há toda uma diferença entre um país que se propõem resolver os seus próprios problemas e um país que tem que recorrer à ajuda externa para acudir aos problemas que não consegue resolver." - Portanto, aquilo que é mesmo importante é ficarmos bem na fotografia certo? Mesmo que isso empate constantemente as estratégias necessárias para sair deste buraco. Livre-nos Nosso Senhor de alguém pensar mal de nós ou acharem que não somos capazes de resolver as coisas através do diálogo político. Guess what?? Oh...afinal não somos. Afinal não podemos usar o título de "orgulhosamente sós". E eu que achava que o vintage estava na moda. Sinceramente...E só em 2º lugar é que este programa afecta de maneira muito profunda as famílias e empresas. Em princípio, tem as prioridades bem definidas, para quem se preocupa taaaaannnttooooo com os portugueses. Mas a saga continua...

"Mantive total disponibilidade (...) para negociar os ajustamentos que fossem necessários para a verificação de um consenso que salvaguardasse o interesse nacional." - Já ninguém o quer ouvir, quanto mais conversar consigo. Consenso? Neste governo? Em que cada um puxa a brasa à sua sardinha? Salvaguardar o interesse nacional é algo que já passou para segundo plano, não me venha cá com histórias.

Fala ainda do seu constante "apelo à responsabilidade". Ok, neste momento, um miúdo de 5 anos é mais responsável e competente que o senhor. Portanto, aquilo que aconteceu foi que o senhor se fartou de apelar e ninguém lhe ligou nenhuma. Txiii....não gostam mesmo de si.

"Porque uma única razão explica esta crise, e essa razão é sofreguidão pelo poder, a impaciência pelo poder. (...) Quando o interesse nacional deveria estar acima de qualquer outro interesse, há quem não hesite em colocar o interesse político-partidário acima do interesse nacional." - Coitadinho, fez tudo o que pôde e a paga que recebe é ser escorraçado do seu cargo por forças maléficas e invejosas, que enveredaram numa "Caça ao Homem", e deram a volta ao sistema para se vingarem de si. É pessoal, claro está. Uma cabala contra o proclamado "Salvador da Pátria". Pronto, já passou....Pff.

"(...) Um governo que, quero recordar, está em funções em resultado da única fonte de legitimidade das democracias: a vontade do povo." - Ora bem, lição de regimes e sistemas políticos. Em democracia, a malta vota para legitimar os governantes. Até aqui é fácil. Pior mesmo, é quando aqueles que votaram em Vossa Excelência se apercebem do crasso erro que cometeram. E olha só para mim,de consciência limpinha, a brilhar.

"Já não se trata de obstruir a acção do governo. Tratou-se, isso sim, de bloquear o nosso país. (...) Esta crise política era evitável. Bastava haver espírito de diálogo. Esta crise era desnecessária, visto que nem sequer havia qualquer imposição legal de votação no PEC. E esta crise é totalmente inoportuna. É provocada no pior dos momentos." - Vamos por partes. O país está bloqueado já há algum tempo. O que se passou hoje é um passo bastante importante para o caminho do desbloqueamento. A acção do governo bloqueou o país, logo...não é preciso ser um génio. A obstrucção ao governo, como o senhor referiu à pouco na sua brilhante ode à sua performance em cumprimento de funções, tornou-se intolerável. E disso não tenha dúvida nenhuma. Pena que tenha demorado tanto tempo a chegar a essa conclusão. Depois, a crise política era o quê?? Evitável? Desnecessária? Meu caro, a crise política não foi criada hoje. Estava apenas disfarçada nas consecutivas discussões parlamentares em modo repeat, e na nova onda de manifestações sociais. A sua credibilidade está na lama, e não é desde ontem. Normalmente a crença no Pai Natal acaba ainda em tenra idade. Consigo passa-se a mesma coisa, só que versão "para maiores de idade". Espírito de diálogo é uma expressão que adquire um certo tom de piadinha, vindo da sua parte. Principalmente quando diz que não foram apresentadas alternativas ao PEC. Reveja as suas folhinhas outra vez, pode ser que algo lhe ande a escapar. Se foram ignoradas ou não, isso é outra conversa. Bom, bom, é brincar aos PEC. Tipo colecção dos livros do Harry Potter. Ou, quiçá, d'Os Cinco. Só pa incluir a Ministra da Educação no jogo. Quanto à votação do PEC... a sério? Estava à espera de quê? Sinceramente? Ah já sei, que passasse. A sua capacidade de previsão também nunca foi especialmente estupenda...confirma-se.
Quanto à crise ser inoportuna, concordo plenamente. Principalmente porque amanhã não sei com que cara é que vai comparecer na cimeira. Mas também vergonha é algo que sempre lhe faltou por isso, standard procedure. Faça o que faz sempre, sorrir e acenar, sorrir e acenar.

"Pode haver quem pense que hoje obteve uma vitória no jogo político. Estreiteza de vistas.(...) E hoje, estou convencido, o país perdeu, não ganhou. Hoje acrescentaram-se dificuldades políticas às dificuldades económicas. Hoje a irresponsabilidade triunfou sobre o sentido de Estado." - Vitória mesmo será quando tivermos todos a certeza que para lá não volta. Quanto a estreiteza de vistas...hmm, vamos não falar sobre isso. Corro o risco de ser cruel. E eu não estou aqui para ofender muito quem quer que seja. Este espaço preza de vez em quando a ponderação linguística. Agora vamos a uma aula de português. "o país perdeu,não ganhou". Oxímoro, antítese ou paradoxo? Hmm, talvez só falta de coisas para dizer, só uma pitada de drama. Falando de dificuldades políticas, neste momento só consigo ter presente a facilidade que o senhor e o seu governo tiveram para brincar às medidas de austeridade. E ali na última parte, enganou-se. Eu penso que o queria ter dito era "A irresponsabilidade toldou-me o sentido de estado". Mas pronto, errar é humano. Não se martirize mais.

"A ansiedade pelo poder levou alguns a pôr em causa o interesse nacional. (...) Uma coligação negativa de forças políticas que nada mais as une a não ser a vontade de abrir uma crise política." - Lá está. Só para bater um bocadinho mais no ceguinho. Já ouvimos. A culpa é deles. A irresponsabilidade é dos outros. Mas enganou-se outra vez. Então José? Ah esqueça, acabou o curso a um Domingo, é normal que haja repercussões. Mas eu corrijo: "A ansiedade pelo poder levou-me a pôr em causa o interesse nacional." There you go, much better. Mentir é feio, mas não na sua terra pelos vistos. A coligação negativa apenas quis atirar umas pinceladas de realismo para o quadro negro e dúbio em que vivemos. Sem ressentimentos tá? Fairplay, acima de tudo.

"Tenho confiança na energia, na vontade e na capacidade dos portugueses. (...) Agora e como sempre, confio nos portugueses e no seu julgamento." - Sim, já toda a gente percebeu que se vai recandidatar e que a sua "campanha" começou hoje. Cheira-me que desta vez não será um caso de "sucesso de marketing político". Quando se perde a confiança das pessoas é tramado, senhor engenheiro. A memória dos eleitores está fresquíssima. Agora (e nunca mais, por favor), nem que mandasse vir a equipa do Obama. Por isso, a graxa dispensa-se.

E aqui está o discurso de demissão do PM. Espectáculo. Este homem até na despedida consegue ser inacreditável. Agora, Senhor Presidente, toca a aceitar a demissão. Vá, não dói.
Quem é a melhor alternativa? Não sei. E provavelmente nenhum deles é muito melhor. Mas por esta altura, o que interessa é mudar. E este é, sem dúvida, o mais inequívoco passo a dar. Vamos ter dificuldades? Sem dúvida. Mas enfrentá-las será certamente mais fácil com um governo no qual possamos confiar, ao qual possamos dar o benefício da dúvida, no qual possamos depositar a nossa fé, e ver os nossos interesses defendidos sem preocupações com "calculismos políticos".

P.S- Volta Manuela.

Finalmente #1

Inacreditável! Bem-Vindos ao Parlamento, o verdadeiro espectáculo expositor da escumalha que nos governa, escumalha à qual o país concedeu essa legitimidade! Hoje está à vista de todos, a maneira cobarde como as caras responsáveis pelo naufrágio do país, se esquivam pelas traseiras e mais uma vez escancaram a falta de pulso, de dignidade e de coragem que tiveram continuamente nos últimos 6 anos! Este governo que actuou até hoje atrás de cortinas de fumo, cortinas essas que a nação consentiu que se erguessem, chegou a um ponto sem retorno! Agora será que já é claro para todos que a liderança do país está nas mãos de pessoas incompetentes, inconsequentes, e pior, movidas por interesses próprios e egoísticos, e pela sede desmedida de poder e de controlo sobre um país que, infelizmente, tem que deixar o orgulho de lado e não pode estar sujeito a caprichos de egos políticos feridos?? Ou ainda não...? Credo, deixem-se de politiquices, esta palhaçada é uma ofensa ao conceito de cidadania!
Rua com o governo do "toca-e-foge"! Finalmente a oposição dá a volta às burocracias, e graças a uma "solidariedade interpartidária" forçada, consegue dar o passo que já deveria ter sido dado há muito tempo.
Agora vamos ouvir o caramelo. Até já.

domingo, 20 de março de 2011

Annie Leibovitz + Disney = ♥


Queen Latifa, The Little Mermaid 


Alec Baldwin & Olivia Wilde, Snow White


Jeff Bridges & Penélope Cruz, The Beauty and The Beast


Julliane Moore & Michael Phelps, The Little Mermaid


Scarlett Johansson, Cinderella


Whoopi Goldberg, Aladdin


Jennifer Lopez & Marc Anthony, Aladdin


Jessica Biel, Pocahontas


Gisele Bündchen, Mikhail Baryshnikov & Tina Fey, Peter Pan


Rachel Weizs, Snow White


Julie Andrews & Abigail Breslin, Pinocchio


Roger Federer, King Arthur


David Beckham, Sleeping Beauty


Zac Efron & Vanessa Hudgens, Sleeping Beauty


  Beyoncé, Oliver Platt & Lyle Lovett, Alice In Wonderland